Páginas

domingo, 25 de setembro de 2011

A lei de Murphy e a probabilidade

Todo mundo já teve um daqueles dias em que o universo parece conspirar contra tudo o que se faz. Quem nunca atribuiu as desastrosas experiências do cotidiano ao azar, concretizando a lei de Murphy: “Se houver alguma possibilidade de algo dar errado, com certeza dará”.

Porém a matemática prova que sorte ou azar é uma questão de acaso. Para o físico britânico Robert Matthews, da Universidade de Aston, em Birmngham, a famosa afirmação de Murphy é pura matemática. São princípios científicos simples, mas desconhecidos da maior parte das pessoas e fazem com que essa bem humorada constatação da fatalidade da vida, pareça sabedoria sobrenatural ou lenda urbana.

Mas de fato, como isso tudo começou?

Experimento de Murphy.
Conta a história que a Lei de Murphy nasceu do desabafo de um engenheiro norte-americano, há mais de seis décadas. Em 1949, ao testar os efeitos da desaceleração repentina sobre o corpo humano, técnicos da Força Aérea dos Estados Unidos submeteram colegas a uma sessão de tortura. Amarrados a uma poltrona, os voluntários eram lançados a 320 quilômetros por hora, sobre um trilho. A cadeira era freada bruscamente. Os voluntários se machucavam - claro! Vários testes e feridos depois, o engenheiro aeroespacial Edward Murphy, que coordenava os testes, descobriu que os equipamentos que deveriam medir os efeito da desaceleração haviam sido mal ajustados e os testes, portanto, não valiam nada. Foi então que Murphy teria desabafado, irritado: "Se alguma coisa puder dar errado, com certeza dará". A frase tornou-se popular como máxima de pessimismo.

Portanto a lei de Murphy não é nada mais do que uma das possibilidades de determinados eventos acontecerem. Pelo fato de boa parte da humanidade não calcular as possibilidades no que estão fazendo,os eventos inesperados são atribuídos ao azar.